O Desenvolvimento De Software Ágil Está Morto. Lide Com Isso.

Jason Bloomberg para Silicon Angle em 03/02/2020

 

Em fevereiro de 2001, 17 homens meia-idade se reuniram em um resort de Utah e criaram o Manifesto para o Desenvolvimento de Software Ágil. E eis que o Ágil nasceu.

 

Lembro de ter o primeiro contato metodologias ágeis lá pelos idos de 2002, com o eXtreme Programming. Naquela época parecia uma utopia…E hoje ainda parece, pelo menos para a maioria das empresas do Brasil fundadas antes de 2001.

 

Nos 19 anos seguintes, organizações de todos os tamanhos, desde as maiores empresas até a mais rápida das startups, tentaram seguir os princípios Ágeis. Ágil – escrito com A maiúsculo – informou metodologias, estruturou estratégias de negócios transformacionais e, em alguns setores, alcançou o status de alto teor de dogmas religiosos.

 

Caramba, já faz tanto tempo assim?

 

No entanto, mesmo com toda essa atenção no valor que o Ágil deve fornecer, as pessoas ainda lutam para colocá-lo em prática. Atingir os objetivos do Ágil permaneceu tão ilusório, de fato, que “Ágil” perdeu todo o significado em alguns setores, tornando-se nada mais que um chavão de marketing vazio.

 

Realmente, Ágil passou de uma palavra restrita aos círculos de desenvolvedores – que queriam desenvolver softwares ao invés de ficar preenchendo documentos – para uma palavra “modinha”, assim como “gourmet”. A maioria usa sem saber direito o seu real significado. Muita empresa usa “só para inglês ver”

 

Porém, um fato que todos podem concordar: já se passaram 19 anos desde que aqueles rapazes escreveram o Manifesto – e pouco ou nada no mundo da tecnologia dura tanto tempo. Não é surpresa, portanto, que o Ágil tenha superado sua utilidade.

 

Contando As Falhas Do Ágil

 

Muita coisa mudou nesses 19 anos. As ferramentas foram aprimoradas, proporcionando melhor automação e colaboração. A nuvem mudou a paisagem. E a diversidade agora é uma prioridade.

 

De fato, o Ágil evoluiu para levar em conta essas mudanças. Os proponentes também são rápidos em apontar que o Ágil geralmente é mal compreendido ou implementado incorretamente. É verdade. Mas depois de 19 anos, você pensaria que teríamos passado por tais mal-entendidos.

 

Não há dúvida de que o Ágil se tornou um pouco de exagero. “Embora os conceitos inteligentes fizessem muito sentido e ressoassem amplamente, infelizmente, seu Manifesto detalhado para o Desenvolvimento Ágil de Software está agora tão duro quanto o site de 2001 em que ele ainda vive, mas as pessoas ainda o citam como a Bíblia”, opina Kelly Wondracek, gerente de estratégia de conteúdo digital da Anthem. “Eu vi luzes criativas esmaecidas e espíritos inspirados diminuírem porque as pessoas são forçadas a trabalhar dentro dos limites dos padrões ágeis de suas organizações.”

 

O Manifesto Ágil é muito rígido? Qual sua opinião?

 

Embora a agilidade seja claramente um benefício implícito do Ágil, o oposto muitas vezes se tornou realidade na prática, especialmente no Scrum, a metodologia de software mais popular que segue os princípios do Ágil. “O Scrum parece ter causado graves danos a algumas empresas”, alerta Ulla Sebestyén, proprietária da consultoria Ágil Parmatur HB. “Talvez até a compreensão do que realmente é o desenvolvimento de produtos tenha sido perdida. Com o tempo, uma estrutura organizacional rígida foi criada com a introdução de equipes Scrum.”

 

Fundamentalmente, o Ágil forneceu uma abordagem para equipes pequenas e relativamente uniformes iniciarem o software em funcionamento rapidamente, apesar do fato de que as equipes de software modernas raramente são pequenas nem relativamente uniformes. Também é questionável: se o software em funcionamento rapidamente é a principal prioridade do esforço.

 

De fato, as pessoas estão se perguntando se o Ágil foi mal orientado desde o início. “O Manifesto Ágil errou desde o início”, diz Kurt Cagle, diretor de tecnologia do Semantic Data Group. “Não foi tanto o fato de pequenas equipes funcionarem melhor porque puderam seguir uma metodologia enxuta para realizar um projeto. Em vez disso, pequenas equipes em pequenos projetos puderam seguir uma metodologia enxuta e ter sucesso com alguma sorte.

 

Mas ele observou que o Ágil nem sempre é escalável. “Muitas vezes, as dependências de integração não são rastreadas (ou são incluídas em histórias hierárquicas), mas costuma ser um dos aspectos mais variáveis de qualquer desenvolvimento de software”, disse ele. “Existem classes inteiras de projetos em que o Ágil tradicional é contraproducente. Projetos de dados corporativos, em particular, não se enquadram nos critérios para serem bons candidatos ágeis.”

 

Essa é uma crítica desde o início do Ágil, não apareceu depois de 19 anos não… Lembro do povo discutindo esse aspecto com muito fervor: “E equipes grandes, como faz? Dá ou não dá?”

 

Problemas No Dimensionamento Do Ágil

 

O ponto ideal para o Ágil sempre foram as equipes pequenas, de “duas pizzas” – mas há tantas tarefas que as equipes pequenas podem praticamente realizar. “A maior limitação das metodologias ágeis é como elas lidam com equipes maiores”, explica Atahan Ceylan, desenvolvedor de back-end da Radio Free Europe / Radio Liberty. “As metodologias ágeis dependem muito da comunicação, portanto, grandes equipes dificultam o uso dos métodos ágeis.”

 

Esse aspecto da comunicação era sempre levantado nas discussões de como equipes maiores poderiam adotar metodologias ágeis.

 

Do desafio do escalonamento ágil em contextos corporativos nasceu o Scaled Agile Framework (SAFe). Agora na versão 5.0, a SAFe promove dezenas de implantações corporativas – e, no entanto, seus detratores são abundantes.

 

esse eu nunca tinha ouvido falar

 

“A [SAFe] proclama valores que parecem sensatos e, em seguida, revira e impõe processos e estrutura que sufocam a agilidade real”, opina Sean Dexter, UX sênior / designer de produtos da Cigna. “Os pensadores de alto nível têm ideias e os de baixo nível executam essas ideias. Ignora-se a possibilidade de que as pessoas mais próximas ao trabalho estejam mais bem equipadas para tomar decisões sobre ele. Escapar dessa mentalidade equivocada é um objetivo central do pensamento ágil que o SAFe falha em realizar remotamente.”

 

Agora fiquei curioso em ver mais esse framework… Primeiro ele enaltece a agilidade e depois enche de processos?

 

Dexter não é uma voz solitária em sua opinião negativa da SAFe. Sebestyén também. “O que a SAFe faz é reinventar a organização de linha com base nas equipes permanentes do Scrum, introduzindo mais gerentes intermediários em novas funções e, além disso, acrescentando muita burocracia”, diz Sebestyén. “Então, estamos de volta onde começamos, com problemas de comunicação entre os engenheiros e desenvolvimento de produtos lento.”

 

Mais gerentes? Então no final volta a estrutura de sempre…

 

Sebestyén não acredita que o problema principal seja o SAFe. “O SAFe é uma solução para um sintoma”, ressalta. “O problema é encontrado no Scrum.”

 

Chegar Ao Cerne Do Problema

 

A maneira como as pessoas geralmente reage a uma discussão sobre as falhas do Ágil é lançar maneiras de resolvê-los e, assim, melhorar ou atualizar o Ágil para o mundo moderno. Certamente, esses esforços fazem a bola Ágil avançar um pouco, mas todos estão sentindo falta do elefante na sala.

 

Aquele elefante é diversidade.

 

Lembra que 17 homens de meia-idade montaram o Manifesto Ágil? Embora cada um deles fosse com certeza um profissional consumado, o fato é que, quando um grupo homogêneo cria um plano, esse plano invariavelmente enfatiza os benefícios da homogeneidade.

 

A construção Ágil fundamental da equipe de duas pizzas que trabalha em conjunto para promover um software de qualidade carece fundamentalmente do contexto necessário para a diversidade.

 

“A vida real não existe em pequenos arranjos em que tarefas podem ser alocadas em doses perfeitamente medidas”, explica Wondracek da Anthem. “Você não apenas pausa o ciclo de sprint por um mês porque é temporada de gripe ou porque Todd parou de repente ou porque Shelly está tirando licença de maternidade.… Porque, de acordo com Ágil: ‘Os patrocinadores, desenvolvedores e usuários devem poder manter um ritmo constante indefinidamente.’”

 

Sebestyén de Parmatur expressa suas próprias preocupações relacionadas à diversidade. “Também pode haver uma forte pressão de colegas sobre pessoas que são desviantes”, diz ele. “A pressão conformacional também faz com que o grupo perca ao longo do tempo sua capacidade de pensar criativamente fora da caixa. Eles não poderão mais trabalhar com nada além de desenvolvimento incremental.”

 

Esse problema de “pensamento em grupo” é especialmente pernicioso para as mulheres, que geralmente compõem a minoria da maioria das equipes ágeis. “[O Ágil] ainda é extremamente dominado por homens”, diz Laura Powers, diretora executiva dos EUA na RADTAC e diretora da Powered by Teams. “Há lugares em que é um desafio ouvir sua voz, porque a maneira como fizemos as coisas no passado tende a ser um preditor de como faremos as coisas no futuro.”

 

Nos últimos 19 anos, muitas organizações e indivíduos diferentes pressionaram por mais diversidade nos esforços do Ágil, apesar do Ágil ser inerentemente antitético à diversidade.

 

“As equipes que podem lidar com problemas complexos e se adaptar rapidamente às novas circunstâncias são de fato inclusivas”, explica Anita Kirpal, chefe global de diversidade e liderança inclusiva da YSC. “Essas equipes tendem a ser compostas por pessoas que são diferentes umas das outras; e diferente não apenas em termos de idade, gênero e etnia, mas também em termos de personalidade e estilos de pensamento. Seus pontos de vista e habilidades combinados trabalham juntos em direção a um resultado comum, que agrega significativamente mais valor aos negócios.”

 

Porém, nada sobre essa dinâmica de equipe aparece no Manifesto Ágil – e, na realidade, esses princípios de diversidade suplantaram amplamente a visão original de como as equipes deveriam trabalhar e pensar que os criadores do Manifesto imaginavam.

 

bom, com relação a diversidade acho que o problema tem mais a ver com o comportamento da sociedade do que com o Manifesto Ágil… Eu acredito que muita coisa evoluiu na sociedade desde então e isso deve se refletir no desenvolvimento de software também.

 

Quando analisamos as modernas abordagens atuais de desenvolvimento de software, incluindo DevOps e integração / entrega contínuas ou CI / CD, vemos a herança do Ágil, com certeza. Mas quanto mais uma organização em particular busca aderir aos princípios fundamentais do Ágil, mais desafios eles têm em relação à escalabilidade, diversidade e, no final, valor comercial.

 

Por outro lado, as organizações que deixam o Ágil para trás e adotam filosofias melhores e mais modernas de como as equipes podem criar melhor o software são onde encontramos o maior sucesso geral. A conclusão óbvia, portanto, é perceber que o Ágil seguiu seu curso e é hora de relegá-lo ao caixote do lixo da história.

 

Jogar o Ágil fora? Final forte esse hein? E você, o que acha? Metodologias Ágeis já deram o que tinha que dar? Comente aí embaixo!

 

O artigo original você pode ler aqui: Ágil software development is dead. Deal with it

 

E se você quer saber mais sobre como desenvolver skills para Alexa e sobre desenvolvimento de software, me acompanhe nesta jornada entrando para o Grupo VIP App Dev!

Comece pelo e-book GRATUITO

5 Passos Para Desenvolver Alexa Skills

Se você não sabe por onde começar, este e-book te mostra os passos para ser um desenvolvedor de skills de sucesso.
100% livre de spam.

Para enviar seu comentário, preencha os campos abaixo:

Deixe uma resposta

*

Seja o primeiro a comentar!